Irmãs Clarissas Franciscanas Missionárias do Santíssimo Sacramento

Matriz Sagrada Família


O trabalho das Irmãs Clarissas Franciscanas Missionárias do Santíssimo Sacramento em São Caetano do Sul

As religiosas Clarissas Franciscanas tiveram e ainda têm até hoje papel de grande importância na vida do povo de São de São Caetano do Sul. Os ideais de Santa Clara e de São Francisco de Assis expressos na vivência e na prática e no amor da mais estrita pobreza fundamentam a iniciativa de Madre Serafina Farrolfi de criar uma nova congregação. Foi assim, que no ano de 1898, na cidade de Bertinoro, Itália, ela realizou seu projeto, construiu seu caminho espiritual, marcado pela missão, pela devoção a Eucaristia,  pelo cumprimento da vontade de Deus, pela devoção a Maria e a vários Santos , pela contemplação e pelo espírito apostólico. Organizou a nova congregação com os carismas, em forma de cartas, “PORTO I MISTERI".  A palavra Mistério significa todos os mistérios de Cristo, sua encarnação, paixão e ressurreição, utilizando a obra, redentora do Pai que se tornou realidade, sobretudo e de modo excelente em Jesus Cristo, filho do Altíssimo. Quando usa o lema “Levo os mistérios “Madre Serafina quer significar de modo particular o mistério Eucarístico. É como se dissesse “ Pela comunhão que recebi trago comigo Jesus sacramentado, com todos os seus mistérios e a vocês os comunico. Trago-os em mim, o corpo de Cristo é meu alimento “. Portanto,  o carisma da Congregação é Eucarístico-Missionário, o lema “ Porto I Misteri", “Carrega os mistérios" indica o programa de ação,  expresso por Madre Serafina, pouco antes de falecer: “ Ide, filhas e levai a todos o Amor de Jesus Eucaristia".

A congregação cresceu rapidamente e o trabalho missionário teve início em 1901 , na Índia. Aqui, no Brasil a convite do bispo de Diamantina (MG) Dom Joaquim Silvério de Souza, foi aberto, em 1907 o primeiro colégio, na cidade de Itambacuri (MG), num aldeamento indígena, numa região da mata. As primeiras alunas matriculadas eram meninas órfãs indígenas, juntamente com filhas de colonos da região. Mais tarde, foram convidadas para atuação em hospital de Diamantina, na área da enfermagem. A obra de Madre Serafina floresceu em Minas Gerais, surgindo vários colégios e o trabalho, junto a hospitais foi determinante na melhoria dos cuidados, zelo e dedicação aos enfermos e aos mais vulneráveis.

A congregação rompeu as barreiras do estado mineiro e foi assim que  três religiosas , Irmã Lídia Lopes de Assis, Irmã Julieta Ramos e Irmã Rosália, que realizavam trabalho missionário numa creche do município de SP , chegaram em São Caetano do Sul, em 1948, a convite de autoridades da época e fundaram o Colégio Nossa Senhora da Glória, marco importante na história da Educação do município  de São Caetano do Sul. Anos mais tarde, iniciaram missão no Hospital Beneficente São Caetano,  trabalho esse reconhecido pela comunidade até os dias atuais. Atualmente, a congregação se faz representar nos seguintes locais, organizado em Regionais, cada uma com suas comunidades:

Regional l:

Comunidade São Francisco- Belo Horizonte- MG

Comunidade Sagrada Família- Casa Provincial- Belo Horizonte- MG

Comunidade Madre Margarida- Noviciado_-  Belo Horizonte- MG

Comunidade São José- São Caetano do Sul- SP

Comunidade Irmã Bernadina Baldassari -  Alto Paraná  -  Redenção ( PA)

Regional II:

Comunidade Nossa Senhora de Lourdes – Postulado - Prudente de Morais (MG)

Comunidade de Nazaré- Aspirantado- Sete Lagoas (MG)

Comunidade Santo Antônio – Curvelo (MG)

Comunidade Coração de Maria - Corinto (MG)

Regional III

Comunidade Imaculada – Governador Valadares (MG)

Comunidade Santa Clara - Itambacuri (MG)

Comunidade São Joaquim – Conceição do Mato Dentro (MG)

Regional IV

Comunidade Santa Clara – Gabu - Guiné Bissau

Comunidade Madre Serafina - Bissaquil (Guiné Bissau)

Comunidade Saint François D’Assise Ziguinchor (Senegal)

Atualmente,  em São Caetano do Sul, na Comunidade São José, situada à rua Archinto Ferrari, no Bairro Santo Antônio as religiosas,  Irmã Rita Carvalho,  Irmã Lídia de Assis,  Irmã Dada Fernando da Silva, sob a coordenação da Irmã Maria Izalda de Souza atuam em importantes espaços da vida espiritual, junto à paróquia Sagrada Família, na qual sempre estiveram presentes, em união com leigos,  consagrados e sacerdotes, como segue:

- Círculolo Bíblico

Encontro semanal, com a participação de leigos e seminaristas Estigmatinos.

- Oficina de pintura

Encontro semanal

- Grupo das Serafinianas

Encontro semanal, com a participação de leigos e coordenação partilhada com o Senhor José Fazzani, articulado com a província.  Estudos, reflexão e aprofundamento dos ideais Serafinianos.

- Apoio à Celebração da Santa Eucaristia, na capela Sagrado Coração de Jesus, no hospital São Caetano.

Presença aos sábados, acolhimento dos paroquianos, celebrantes, organizadores e colaboradores das liturgias e pessoas do coral.

- Participação no coral do Hospital São Caetano

- Grupo Sagrado de Jesus da Igreja Matriz Sagrada Família

Organização e coordenação das atividades pela Irmã Rita Carvalho

- Presença na Matriz Sagrada Família

Participação nas celebrações da Santa Eucaristia na Igreja Matriz Sagrada Família, em eventos e no apoio aos seminaristas e sacerdotes e atendimento aos mais vulneráveis

Organização e distribuição das doações, generosamente feitas pelos paroquianos

- Pastoral de rua.

Organização e acompanhamento na distribuição, pelas ruas e viadutos da cidade de SP.

- Pastoral da saúde

Visita a enfermos em suas residências, fortalecendo-os, inclusive com a Santa comunhão, quando solicitada. Este trabalho é realizado pela Irmã Dada Fernando da Silva.

Zulmira Pinheiro de Souza de Almeida


 



Irmã Rita, irmã Lídia, irmã Izalda, irmã Dada


São Francisco e Santa Clara